domingo, 20 de junho de 2010

albatroz

Dentro daqueles dias de ficar parada, num silêncio diferente, numa ausência estranha... e aí eu levanto, abro a agenda, passo a vista nos afazeres (mil), suspiro angustiada e fecho o caderninho... desligo o celular, desisto de tomar banho e não consigo decidir o que fazer primeiro, a vontade é deitar e me deixar ficar assim por alguns dias... daí me lembro de quando eu desperto após fazer isso... acordo sem rumo, sem centro, sem relógio, sem mim e eu queria ter encontrado você aqui dentro de mim durante esses dias... mas você não está lá... eu abri a janela, estiquei as asas e encerrei o texto, mas o albatroz continuou lá, existindo perante a janela, olhando a cidade à noite, assim ficou por vários instantes... e para minha surpresa não abriu as asas, não partiu, não alçou vôo...
e eu juro que esperei, não o apressei... e tampouco lhe pedi uma decisão definitiva, apenas que fizesse o que desejasse para si, lá do mais fundo de seu pequeno coração... e assim o fez, se afastou da janela, baixou a cabeça, fechou os olhinhos e recolheu as asas para repousar... e eu nada pude fazer, apenas observar, como disse, deixei-o livre, completamente, apesar de todos os receios...
daí peguei minha mochila e parti, fui pra casa, fui pra longe, pra tentar entender o que se passara, pra conseguir enxergar bem, estando longe de você e dele, pensei que talvez assim eu ficasse mais perto de mim...
... e lá, dentro do silêncio, quando finalmente me permiti ouvi-lo, só escutei ondas quebrando no mar, uma após a outra, ritmadas... sabia que muitas pessoas estavam lá sem que eu as visse, mas que não as via porque não as buscava, o rosto que queria ver não estava lá...
perdão...
muito embora eu não tenha pecado... muito embora eu tenha sido todo o tempo a não certeza de qualquer coisa...muito embora nada seja definitivo numa vida...
parto outra vez, parto pra escutar o resto... e clarear as vistas...

8 comentários:

  1. Quando escutamos nossos silêncios, descobrimos coisas que nem imaginávamos.

    ResponderExcluir
  2. Seu blog ta muito lindo..

    bem a sua cara.. meigo, fofo....
    adorei vio!

    te amo! Amo-te tbm..
    hehe

    b-jim Dontinha!

    ResponderExcluir
  3. Oi, Duveniiiiiiii.
    ;)

    Passando por aqui vez em quando, deixando um abraço agora, quem sabe alguma observação mais tarde...

    Abraço
    Jaque Maia

    ResponderExcluir
  4. Sou uma das maiores estusiastas deste projeto! Você sabe! Te amoooo. Bjos, Marília Passos

    ResponderExcluir
  5. Admiro muito vc como atriz e agora como escritora, o texto ta otimo, so falta agora o livro.

    bjs sucesso no projeto

    ResponderExcluir
  6. Adorei Duve! Tá lindo! Amo tudo que vc escreve...
    Sucesso, tô na torcida sempre vc sabe né?
    Te amãoooooo, bjux

    ResponderExcluir
  7. É inquietante, profundo, me reconheço em alguns trechos "estando longe de você e dele, pensei que talvez assim eu ficasse mais perto de mim...", adorei seu seu texto Duvennie, me deu vontade de escrever mais e mais, e também de compartilhar algumas idéias!!! Parabéns!

    ResponderExcluir
  8. um texto completo,reflexivo e com emoções a flor da pele! muuuito bom!

    ResponderExcluir